segunda-feira, 5 de julho de 2010

TEXTOS RECUPERADOS DO BLOG CAVALO LUSITANO DO YAHOO

Postado em 26/08/08

Neste exato momento o Brasil está perdendo o melhor garanhão jovem já nascido neste país da raça PSL. O nome dele é VULÇÃO DOS PINHAIS. Conheço este cavalo desde seu nascimento nos Pinhais, depois com Simone Novak e agora no HM.

Certamente o Brasil irá "chorar" a perda deste animal que tem condições de igualar e superar a marca de seu Irmão Relampago do Retiro (Luar em Atinada) 19º colocado nas Olimpíadas de Beijing.

Ele está sendo adquirido por espanhóis através de comerciante de cavalos português de nome Vasco Freire e revendido para a Espanha. Quem está fazendo a intermediação no Brasil é o Sr. Alexandre Sampaulo. Alexandre também responsável pela venda para o estrangeiro de cavalos como Solar dos Pinhais (hoje de volta a nosso país, pois não conseguiram dar a volta nele em Portugal) e Peralta dos Pinhais que provavelmente deverá retornar ao nosso país para servir em Haras famoso.

A trajetória de Vulção (Luar em Cenoura) como garanhão é excelente. O primeiro filho deste de nome ACAFRAO (poderão verificar na relação de cavalos exportados da ABPSL) foi vendido por mim para os EUA pelo valor de US$50.000) encontra-se no Haras Modelo outro filho deste de nome Champanhe SN de altíssima qualidade também.

Nos últimos 20 dias, venho-me esforçando (abrindo mão de qualquer comissão de venda deste produto) para que o mesmo permaneça no país. Primeiro falei com o Dr. Raul para que ajuda-se no processo. Numa segunda atitude mandei e-mail's para Dra. Clélia Erwenne, Sr.Victor Oliva, Eng. Énio Monte, Sra. Eliane Garcia e Sr. Luis Morais, mas nenhum retorno tive destes criadores., a não ser do Eng. Énio Monte e Sra. Eliane Garcia não mostrando interesse no momento.

Há 20 dias atrás fui no HM filmar o cavalo, o qual está mais bonito do que nunca e falei abertamente com o Eng. José Carlos Garcia para abortar a venda do cavalo para estrangeiros. Mostrei através do belíssimo e profissional trabalho executado pela equipe HM que o cavalo será uma perda nacional no campo esportivo e reprodutivo, devido a sua evolução nos últimos 6 meses e por ser um cavalo de 1.72m. de altura deveria ser mais lenta a sua evolução, comparada a um warmblood, mesmo assim o cavalo demonstrou alta categoria no paiffe e nas mudanças de pé ao galope. Comuniquei ao Sr. Alexandre Sampaulo que faria a campanha e que ela não teria um cunho pessoal, porque cada um ganha a vida como pode e quer.

A explicação do criatório HM foi que o cavalo, além de ótimo animal na visão destes, teria de ser comercializado pois a marca precisava de um garanhão que combinasse com as filhas do garanhão Portugal, o que não era o caso do Vulção. Fora isso a marca HM acabava de comprar um garanhão no estrangeiro para este fim e que o valor empregado na compra deste novo garanhão seria proveniente da venda de Vulção. Perante esta informação nada havia a fazer a não ser sensibilizar o mercado nacional a adquirir garanhão, preservando- o em nosso país, evitando assim o que acontecera no passado com outros cavalos de grande potencial que certamente hoje fazem falta para dar continuidade à campanha de Beijing, como WEG Kentucky 2010, Pan Guadalajara 2011 e Londres 2012.

O histórico esportivo de Vulção ainda não aconteceu, por isso o seu preço ser muito comercial o que garantiria a valorização deste em curto espaço de tempo, podendo chegar a cifras internacionais de cavalos de Dressage do circuito mundial, as quais todos sabemos que rondam o meio milhão de euros.

Assim como em 2003 comprei o garanhão Portugal para a marca HM e nos anos seguintes este garanhão ganhou todas as provas de Adestramento as quais participou, tendo estreado no esporte pelo GP e sua primeira nota dentro de um retângulo de Adestramento dada por um juíz Olímpico ter sido 9, tenho plena certeza que Vulção poderá repetir este fato histórico no mundo.

Hoje, uma das maiores industrias ligadas ao cavalo é a venda de sêmen de cavalos conceituados. Tenho a certeza absoluta que este garanhão em paralelo com sua campanha esportiva poderá vender sêmen para o mundo, inclusive Alemanha, Holanda, França, Espanha, Colômbia, Itália, Austrália, Canadá e EUA. No meu entender só nesta campanha o cavalo poderá recuperar todo o investimento aplicado nele e em seu treinamento.

O ponto a ser colocado aqui é o seguinte: O pequeno criador só terá uma chance de competir se o mesmo tiver a "informação". Sem ela, jamais chegará a nenhum lugar e lhe restará apenas as migalhas dos mercados internos que estão praticamente falidos e não refletem o BOOM do mercado internacional, aonde deu o seu primeiro sinal no leilão da Florida 2008 das marcas Interagro/Vouga e agora com o relativo sucesso em Beijing, no mínimo por ficar atrás apenas dos hanoverianos em numero de cavalos inscritos na competição.

De minha parte, prometi que o faria e estou fazendo, o faço não por dinheiro, mas sim pelo Adestramento Nacional e pelo cavalo PSL criado no Brasil e tudo o que ele me proporcionou nesta última década e tudo o que irá me proporcionar nas próximas. A luta é "quixotesca" porque de certa forma os "gritos" não encontram ecos depois de 30 anos caminhando pelas estradas empoeiradas de trilhas de cavalos pelo mundo afora.

Não sei quais serão as conseqüências desta comunicação, apenas sinto estar fazendo o certo, defendendo o que acredito como aliás sempre o fiz no decorrer destes 12 anos, assim como a modalidade esportiva que escolhi já faz 3 décadas, o Adestramento.

Postado - 25/08/08
Prezado Mauro, acho que não nos conhecemos ainda pessoalmente, por isso fico até sem jeito, por tratar de um assunto delicado como é o de um treinador de cavalos e cavaleiros.
Sua resposta foi exatamente a que eu deveria ouvir e a recebi democraticamente. .

Como vc deve ter lido em meu Blog (inclusive hoje estarei colocando outro texto se o tempo permitir) minha total preocupação é a falta de conhecimento dos pequenos criadores e a sua fragilidade histórica na formatação do que é o ideal na criação do bom cavalo PSL, já que não existem pesquisas, palestras e nem as exposições servem para reger alguma vertente que nos projete daqui a 5 anos.

A minha primária preocupação quando vendo um cavalo é a sua performance depois de vendido. Posso citar inúmeros cavalos exportados que hoje são animais que representam o PSL com vigor e honra nas regiões para onde foram no mundo. Este compromisso é a "grande malandragem" do negócio e se colocarmos um percentual, ele representa 80% de longevidade nos negócios internacionais (cito apenas negócios internacionais, porque cavalos PSL vendidos no Brasil, poucos conseguem pagar o que comeram e o trabalho colocado neles de equitação, por isso é um mercado que não pode ser focalizado). No caso do "mestre citado", o qual conheço há várias décadas atrás, isso em casa do GRANDE MESTRE NUNO DE OLIVEIRA , décadas antes de aterrizar no Brasil pelas mãos do Carrano. Este "mestre" levou cavalos significativos para os EUA, um pelo menos eu adorava ( o qual tirei das cinzas no litoral sul da Bahia), ele era filho do Hino na Catita e nada aconteceu, os cavalos evaporam na Califórnia e mais ninguém ouve falar deles. Esta critica não é minha, mas sim do corpo diretivo da IALHA, porque este cavalo nem registrados nos EUA são e por isso nem controle numérico de PSL's nos EUA pode-se ter. Com maior gravidade ainda dos inúmeros cavalos PSL Interagro enviados para aquele país que encontram-se na mesma situação desde 1996 quando este criador estabeleceu- se no Estado do Texas.

Afirmo isso porque desde 1996, na companhia do Eng. Aldo Araujo Pinto fui aos EUA à primeira exposição naquele país de cavalos PSL e mais tarde estive mais 7 vezes nas Exposições Internacional da IALHA no Texas.

Com a campanha no Adestramento do PSL, em nosso país, depois no Pan e agora nos JO de Beijing, alcançamos um patamar nunca dantes visto no Marketing direcionado ao nosso cavalo, mas por outro lado verificamos na última exposição internacional de maio na cidade de São Paulo que a qualidade está drasticamente deteriorando. Isso é uma realidade incontestável. Posso mostrar-lhe ou a qualquer pessoa este realidade, pois já faz mais de 8 anos que tenho em acervo TODOS OS CAVALOS que entraram em pista nas diversas exposições internacionais desde o ano de 2000.

Neste último ano buscamos incansavelmente um garanhão no mundo para servir certo tipo de éguas e lhe garanto que foi achar uma agulha num palheiro. Achamos, buscando um velho garanhão no México, o qual deixou filhos de alta qualidade no Brasil.

A minha enorme preocupação é servir bem o cliente (hoje devido a esta retitude, vendo cavalos PSL, sem que os clientes o vejam ao vivo) . Este servir bem o cliente, não é a fasta ou o almoço que vc dará a seu cliente, ou o hotel que pagará. Servir bem o cliente é ter preços justos num equilíbrio exato entre o custo e o benefício, é proporcionar a este radiografias digitais, aonde o veterinário do mesmo as poderá receber em qualquer parte do mundo, é dar garantias sanitárias REAIS (não vender e depois tratar), o que significa ter um cavalo abaixo do percentual de risco de embarque que é 20%) e por final e realmente o que menos importa, que o cavalo tenha algum aprendizado dentro da BOA EQUITAÇÃO UNIVERSAL, aprendizado este que permita ser experimentado montado.

Digo-lhe que todo o cavalo que apresentar-se nestas condições hoje no mundo terá uma aceitação imediata, só não pode ser "matungo" a preço de crack, ai não tem jeito. Em 70% dos casos é o que acontece, mas entendo até este tipo de coisa, pois o nosso sempre é o melhor!! O criador jovem, com menos de 10 anos ele certamente terá de ser perdoado por este erro.

Quando ouço: um grupo de pequenos criadores comprou um garanhão, francamente já gelo, fico aflito, pois sei que no Brasil contam-se numa mãos os bons garanhões que terão alguma projeção daqui a 5 anos. Destes 5, dois estão na minha mão e nenhum grupo de novos criadores me procurou, é bem estranho!

Quando se fala em éguas de elite (o que parece os velhos leilão do Palace), aonde o falecido Tony Pereira trazia as éguas que comprava em Portugal por mil escudos e vendia no Brasil por milhares de dólares) esta história é antiga e se torna repetitiva com os anos, o que é extremamente cansativo. O que são éguas de elite? São porque fulano falou? São porque todos os seus filhos alcançaram preços reais de mercado bons? São éguas que colocaram no chão ganhadores de exposições? Qual a direção que sigo para saber se égua X é melhor que égua Y. Estas são as questões que têm de ser colocadas em debate, não só aqui neste espaço, mas em mesas redondas, aonde possamos mostrar filmes novos e antigos, aonde possa haver uma comparação, mas acima de tudo o dialogo aguerrido entre as partes, que quase sempre nestas horas ficam atrás da moita.

Isso apenas conseguimos em dias de campo, dias estes que aprendi com o Dr.. Cirne de Lima no Rio Grande a dar valor e mais tarde com o Eng. Énio Monte e o saudoso Dr. João Carlos Ribeiro. Vc só pode descordar quando o seu leque de conhecimento o permite. Vc só pode concordar quando tiver certeza do que fala. Utilizando uma frase do meu livro - O empirismo no mundo dos cavalos terminou do século XIX -

Uma raça só cresce quando podemos formar uma base da pirâmide forte, com alicerces no conhecimento e não no dinheiro ou na lábia, para que não sejamos confundidos com ciganos ou vendedores de automóveis. Uma raça se torna forte quando ganha o que pretende fazer esportivamente, seja Equitação, Dressage, Salto ou mesmo puxar uma carroça. Na competição é que poderei incontestavelmente dizer que o meu cavalo é melhor que o seu ou vice versa, naquele momento. Por isso sou contra aqueles que se escondem em "floreios de lábias de neurolinguística" ou "reféns de Magos criadores de galgos de corrida". Precisamos dar valor a quem tem valor pelo que sabe e mostrou fazer bem, seja um bom ferrador, um bom tratador, um bom veterinário ou mesmo um bom cavaleiro (raridade). Esta é a razão mais profunda a qual repudio alguns nomes montados em jogadas de "marketing comercial" e nada mais.

Na minha singela opinião, pequenos criadores não têm que ter garanhões, eles têm de comprar o que de melhor existe no mundo em sêmen congelado e na compra do lote ter melhor preço. No caso das éguas, se são pequenos têm de ser espertos e antecederem- se aos fatos, fatos estes que são reais, tem de mudar a bem ou a mal (independência ou morte) comprar embriões das éguas confirmadas.

Como vc deve saber nos EUA qualquer transferência de embrião tem de ser reconhecida no Stud Book da raça, é lei. Caso existam problemas, registra-se os potros na IALHA e acabou o problema.

Enfim caro Mauro, são temas pertinentes de discussão e que devem ser levados a uma mesa do conselho da raça no Brasil. Tenho esperanças que tudo poderá mudar em breve, rompendo-se as amarras que temos com Portugal definitivamente, mas democraticamente, permitindo sempre a quem quiser, ter os seus cavalos no Stud Book em Portugal ter o acesso, ou se preferir, não ter de esperar 4 anos e te-lo no Brasil, pois o que manda é o exame de DNA e esse se faz aqui por menos de metade do preço praticado além mar.

Um abraço



Postado em 26/08/08
Prezados Senhores, boa noite. Depois dos diversos telefonas de apoio recebidos no dia de hoje, inclusive de outros Estados Brasileiros, reparo que este grupo tornou-se um canal de dialogo democrático nunca dantes visto. Um dos telefonemas não foi em tom cordial e agora verifico que também posso incluir este texto abaixo de uma forma não cordial.

Sinto dizer a todos, mas não mais escreverei neste grupo para preservar a minha família e a minha pessoa. Quem quiser que leia o meu Blog.

Apenas quero deixar claro que quando referi-me ao garanhão Solar dos Pinhais, em hipótese alguma denegri o seu valor como reprodutor. Ele nada mais é que filho do Ninfo (cavalo que comercializei o ano passado a favor do melhor treinador do país de Adestramento, inclusive quem acompanhou as últimas provas de Adestramento em São Paulo pode verificar que o mesmo já está perto de alcançar uma boa média nas provas de Grande Prémio, tendo sido o campeão da última etapa do campeonato Paulista, o que muito me orgulha). Sua mãe, Cenoura é uma das melhores 10 éguas da raça e propriedade de minha amiga Simone Novak, produtora de inúmeros cavalos conceituados e de bom resultado comercial.
Por último, sou amigo do atual proprietário do garanhão, o Sr. Francisco Rios, a quem devo respeito pelo investimento em trazer para nosso país um ótimo garanhão, o qual aos 3 anos, antes mesmo de ser exportado para o grupo referido anteriormente, o montei para compra na Coudelaria dos Pinhais, preferindo comprar seu irmão. Todos Erramos!!

Acho que existiu uma proposital interpretação errada de minhas palavras, eu referia-me ao "esquema" e não aos animais (quem me conhece sabe que jamais coloco a culpa em animal nenhum), já que lidamos com profissionais do mais alto gabarito internacional, inclusive 6 vezes campeões na Feira de Lisboa na década de 90, as quais quase todas estive presente. Nelas tivemos o prazer de ver Distinto, Embaixador e muitos outros.

Faz mais de duas décadas que querem-me calar e certamente conseguirão, pois tenho dois filhos lindos que moram numa cidade violenta como São Paulo e meu automóvel não tem nenhuma proteção nas janelas.

Agora não poderia deixar passar a oportunidade de dirigir-me ao nosso candidato já que referiu-se a minha pessoa como um TOLO. A união se faz com democracia, com dialogo e com projetos que possam favoreçer a comunidade como um todo e não grupos comerciais interessantes "do momento". É obrigação de um canditato a Presidência de qualquer entidade nacional de raça, preservar os interesses genéticos do país e da raça, porque este é o seu grande e principal patrimonio (alguns países chegam a comprar estes animais até, o que é o caso da França, por exemplo). Com o seu poder de Canditato devia não chamar os outros de TOLOS e sim apoiar esta iniciativa corajosa de uma pessoa que SEMPRE, incondicionalmente apoio a sua candidatura no passado e agora.

Quando o Canditato refere-se a "CRIAR BEM TODOS TERÃO O SEU LUGAR AO SOL" é pura demagogia, pelo fato de ninguém nascer sabendo criar cavalos, as pessoas precisam de pesquisas, precisam conheçer visualmente, precisam comparar, precisam ter acesso a literatura, precisam de dialogar em confraternizações de criadores, dias de campo, de técnicos nas diversas áreas de atividade mas acima de tudo as pessoas precisam de ambientes democráticos e justos que possam expressar o que sentem, o que sabem, sem retaliações, censuras ou expulsões.

Tapar o sol com a peneira, não é a solução, mas sim enfrentar honradamente o nepotismo, as arbitrariedades e mostrar soluções criativas para que todos possam usufruir igualmente dos programas de incentivo, tanto de governo (eles existem e o Prezado canditato sabe), quanto internos da própria raça.

Acredito plenamente que está na hora de limpar a sala e não colocar a poeira debaixo do tapete. Caso precise de algumas ideias, consulte o meu blog, tem centenas por lá, pode ser um bom caminho, pelo menos é o fruto de 30 anos dedicados ao cavalo integralmente.

Para terminar, já que é canditato e precisará de votos, a comunidade inteira deste nobre grupo de discussão e não de trabalho, apioaram as minhas palavras, inclusive no dia de hoje foram vendidas 10 coberturas do cavalo Vulção citado no primeiro texto, o que denota que a ideia do Dr, Mauro é salutar, criativa, de grande interesse para a comunidade como um todo e deve ser incentivada, mesmo que tenha nela pessoas com eu - Um TOLO!
Postado em 27/08/08
Prezado Mauro, como pode ser publicado um anuncio particular de uma clinica que não interessa a ninguém a não ser aos nossos amigos Barbier e Carrano, com a chancela da Associação da ABPSL?

Todo o trabalho executado no Brasil por este "mestre", o qual é fundamentalmente montada em cima de um marketing direcionada a venda de cavalos para clientes do mesmo, cada vez mais escassos em nosso país, este em nada acrescentou aos nossos cavaleiros em geral, nem mesmo o Roger, do mesmo esquema "ilha verde" teve algum benefício, já que importaram um treinador europeu.

Chega de colocar os dedos nos olhos dos outros achando que todo o mundo é leigo e não tem a informação. Este cavaleiro em nada pode acrescentar aos cavaleiros Brasileiros que tanto necessitam de bons MESTRES. é mais nefasto ainda por confundir a cabeça com teorias que em nada tém a haver com o que todos necessitamos, a boa equitação .

Acho estranho bater-se sempre na mesma tecla...nada a haver investir em algo que nunca trouxe retorno para a comunidade a não ser para um grupo Carrano, Oliva e Barbier.

Precisamos sim de grandes mestres com renome internacional, intimamente ligados ao adestramento competitivo. ...

Postado em - 27/08/08

Prezado Mauro, acho que não nos conhecemos ainda pessoalmente, por isso fico até sem jeito, por tratar de um assunto delicado como é o de um treinador de cavalos e cavaleiros.
Sua resposta foi exatamente a que eu deveria ouvir e a recebi democraticamente. .

Como vc deve ter lido em meu Blog (inclusive hoje estarei colocando outro texto se o tempo permitir) minha total preocupação é a falta de conhecimento dos pequenos criadores e a sua fragilidade histórica na formatação do que é o ideal na criação do bom cavalo PSL, já que não existem pesquisas, palestras e nem as exposições servem para reger alguma vertente que nos projete daqui a 5 anos.

A minha primária preocupação quando vendo um cavalo é a sua performance depois de vendido. Posso citar inúmeros cavalos exportados que hoje são animais que representam o PSL com vigor e honra nas regiões para onde foram no mundo. Este compromisso é a "grande malandragem" do negócio e se colocarmos um percentual, ele representa 80% de longevidade nos negócios internacionais (cito apenas negócios internacionais, porque cavalos PSL vendidos no Brasil, poucos conseguem pagar o que comeram e o trabalho colocado neles de equitação, por isso é um mercado que não pode ser focalizado). No caso do "mestre citado", o qual conheço há várias décadas atrás, isso em casa do GRANDE MESTRE NUNO DE OLIVEIRA , décadas antes de aterrizar no Brasil pelas mãos do Carrano. Este "mestre" levou cavalos significativos para os EUA, um pelo menos eu adorava ( o qual tirei das cinzas no litoral sul da Bahia), ele era filho do Hino na Catita e nada aconteceu, os cavalos evaporam na Califórnia e mais ninguém ouve falar deles. Esta critica não é minha, mas sim do corpo diretivo da IALHA, porque este cavalo nem registrados nos EUA são e por isso nem controle numérico de PSL's nos EUA pode-se ter. Com maior gravidade ainda dos inúmeros cavalos PSL Interagro enviados para aquele país que encontram-se na mesma situação desde 1996 quando este criador estabeleceu- se no Estado do Texas.

Afirmo isso porque desde 1996, na companhia do Eng. Aldo Araujo Pinto fui aos EUA à primeira exposição naquele país de cavalos PSL e mais tarde estive mais 7 vezes nas Exposições Internacional da IALHA no Texas.

Com a campanha no Adestramento do PSL, em nosso país, depois no Pan e agora nos JO de Beijing, alcançamos um patamar nunca dantes visto no Marketing direcionado ao nosso cavalo, mas por outro lado verificamos na última exposição internacional de maio na cidade de São Paulo que a qualidade está drasticamente deteriorando. Isso é uma realidade incontestável. Posso mostrar-lhe ou a qualquer pessoa este realidade, pois já faz mais de 8 anos que tenho em acervo TODOS OS CAVALOS que entraram em pista nas diversas exposições internacionais desde o ano de 2000.

Neste último ano buscamos incansavelmente um garanhão no mundo para servir certo tipo de éguas e lhe garanto que foi achar uma agulha num palheiro. Achamos, buscando um velho garanhão no México, o qual deixou filhos de alta qualidade no Brasil.

A minha enorme preocupação é servir bem o cliente (hoje devido a esta retitude, vendo cavalos PSL, sem que os clientes o vejam ao vivo) . Este servir bem o cliente, não é a fasta ou o almoço que vc dará a seu cliente, ou o hotel que pagará. Servir bem o cliente é ter preços justos num equilíbrio exato entre o custo e o benefício, é proporcionar a este radiografias digitais, aonde o veterinário do mesmo as poderá receber em qualquer parte do mundo, é dar garantias sanitárias REAIS (não vender e depois tratar), o que significa ter um cavalo abaixo do percentual de risco de embarque que é 20%) e por final e realmente o que menos importa, que o cavalo tenha algum aprendizado dentro da BOA EQUITAÇÃO UNIVERSAL, aprendizado este que permita ser experimentado montado.

Digo-lhe que todo o cavalo que apresentar-se nestas condições hoje no mundo terá uma aceitação imediata, só não pode ser "matungo" a preço de crack, ai não tem jeito. Em 70% dos casos é o que acontece, mas entendo até este tipo de coisa, pois o nosso sempre é o melhor!! O criador jovem, com menos de 10 anos ele certamente terá de ser perdoado por este erro.

Quando ouço: um grupo de pequenos criadores comprou um garanhão, francamente já gelo, fico aflito, pois sei que no Brasil contam-se numa mãos os bons garanhões que terão alguma projeção daqui a 5 anos. Destes 5, dois estão na minha mão e nenhum grupo de novos criadores me procurou, é bem estranho!

Quando se fala em éguas de elite (o que parece os velhos leilão do Palace), aonde o falecido Tony Pereira trazia as éguas que comprava em Portugal por mil escudos e vendia no Brasil por milhares de dólares) esta história é antiga e se torna repetitiva com os anos, o que é extremamente cansativo. O que são éguas de elite? São porque fulano falou? São porque todos os seus filhos alcançaram preços reais de mercado bons? São éguas que colocaram no chão ganhadores de exposições? Qual a direção que sigo para saber se égua X é melhor que égua Y. Estas são as questões que têm de ser colocadas em debate, não só aqui neste espaço, mas em mesas redondas, aonde possamos mostrar filmes novos e antigos, aonde possa haver uma comparação, mas acima de tudo o dialogo aguerrido entre as partes, que quase sempre nestas horas ficam atrás da moita.

Isso apenas conseguimos em dias de campo, dias estes que aprendi com o Dr.. Cirne de Lima no Rio Grande a dar valor e mais tarde com o Eng. Énio Monte e o saudoso Dr. João Carlos Ribeiro. Vc só pode descordar quando o seu leque de conhecimento o permite. Vc só pode concordar quando tiver certeza do que fala. Utilizando uma frase do meu livro - O empirismo no mundo dos cavalos terminou do século XIX -

Uma raça só cresce quando podemos formar uma base da pirâmide forte, com alicerces no conhecimento e não no dinheiro ou na lábia, para que não sejamos confundidos com ciganos ou vendedores de automóveis. Uma raça se torna forte quando ganha o que pretende fazer esportivamente, seja Equitação, Dressage, Salto ou mesmo puxar uma carroça. Na competição é que poderei incontestavelmente dizer que o meu cavalo é melhor que o seu ou vice versa, naquele momento. Por isso sou contra aqueles que se escondem em "floreios de lábias de neurolinguística" ou "reféns de Magos criadores de galgos de corrida". Precisamos dar valor a quem tem valor pelo que sabe e mostrou fazer bem, seja um bom ferrador, um bom tratador, um bom veterinário ou mesmo um bom cavaleiro (raridade). Esta é a razão mais profunda a qual repudio alguns nomes montados em jogadas de "marketing comercial" e nada mais.

Na minha singela opinião, pequenos criadores não têm que ter garanhões, eles têm de comprar o que de melhor existe no mundo em sêmen congelado e na compra do lote ter melhor preço. No caso das éguas, se são pequenos têm de ser espertos e antecederem- se aos fatos, fatos estes que são reais, tem de mudar a bem ou a mal (independência ou morte) comprar embriões das éguas confirmadas.

Como vc deve saber nos EUA qualquer transferência de embrião tem de ser reconhecida no Stud Book da raça, é lei. Caso existam problemas, registra-se os potros na IALHA e acabou o problema.

Enfim caro Mauro, são temas pertinentes de discussão e que devem ser levados a uma mesa do conselho da raça no Brasil. Tenho esperanças que tudo poderá mudar em breve, rompendo-se as amarras que temos com Portugal definitivamente, mas democraticamente, permitindo sempre a quem quiser, ter os seus cavalos no Stud Book em Portugal ter o acesso, ou se preferir, não ter de esperar 4 anos e te-lo no Brasil, pois o que manda é o exame de DNA e esse se faz aqui por menos de metade do preço praticado além mar.

Postado em - 27/08/08
Durante o dia de ontem retratei-me pessoalmente à Sra. Mariana Castro (ela não foi citada no infeliz texto), por minhas palavras referentes ao também autor dela Barbier citado em meu texto. Peço a gentileza se possível que retire deste grupo o texto da referida Sra. Mariana a qual tenho todo o respeito e não cabe resposta neste grupo, já que haviamos respeitado o seu pedido anterior integralmente. Caso alguém pretenda saber da verdade absoluta, poderá encontrar em meu Blog - http://purosanguelu sitanomontabrasi l.blogspot. com/ , atenciosamente. O que estava em discussão, não era especificamente o Sr. Barbier ou suas ligações comerciais no Brasil, era a qualidade das clínicas que precisam ser efetuadas para existir realmente uma evolução qualitativa no ensino do Adestramento e da Equitação em geral.
Postado 27/08/08
“Os cavalos e as pessoas andam juntos”
O conflito entre os diversos gêneros do cavalo Lusitano, seja ele Veiga, Alter, CN, Andrade sempre andaram junto das pessoas que os utilizaram. Se os Andrades são grandes, foi devido ao fato que o Eng. Andrade ter sido uma pessoa grande. Já os Veigas, foram moldados para serem cavalo mais ágeis e de menor estatura para servirem melhor para o toureio eqüestre. Já os CN, foram selecionados para as tropas e por ai vamos.
Hoje, procuro um Lusitano para meus filhos, com no máximo 1.52m.. de altura e não encontro. Este fato traduz a evolução da raça, aonde tratados dizem que na década de 50 e 60 do século passado, o que mais tinha na raça eram cavalos ruços desta estatura no Lusitano.
Lembro-me também do criador de cavalos Eng. Paulo Pertier, titular do Haras Harmonia defender publicamente o cavalo “barroco PSL”. Ele não mais cria cavalos! Os tempos mudaram, as crianças mudaram, elas são maiores que seus pais e o mais importante no hemisfério norte, aonde o cavalo é popular as pessoas são de maior estatura e sentem-se mal em cima de cavalos de menor estatura.
Lembro-me de um famoso criador, um dos melhores chegando de sua viagem à Holanda e Alemanha e dizer que criava pôneis, olhando a sua criação!
O que temos que ter em mente é a seleção dos animais a utilizar, suas virtudes e defeitos, sem propriamente darmos demasiada importância à morfologia, bem que no decorrer dos anos sinto que o temperamento do cavalo tem uma relação estreita com as conexões e ângulos, devido à dor que este animal sofre quando sujeito a esforços maiores. Sendo um animal de fuga, logo descobre alguma defesa, que vai do coice ao bolear com o cavaleiro em cima.
Existem duas palavras que são moda no mundo – CONEXOES E MONTABILIDADE.
Falaremos sobre MONTABILIDADE primeiro – Para quem monta a cavalo significa um cavalo sem reações às ajudas, que transmita a sensação de igualdade no seu equilíbrio simétrico entre o lado esquerdo e direito de seu corpo, que seus músculos trabalham soltos e em descontração (o que têm o nome de “rassembler”) e desta forma ele traduza esta situação permanente num apoio suave, elástico e constante com a mão do cavaleiro (Ramener) e que o cavalo permita aos poucos o cavaleiro afundar o assento e trabalhar o mesmo com mais ação, visando avivar os andamentos, tornando-os mais brilhantes e assim provocando maior conforto para o cavaleiro. Tudo isso, num estágio mais avançado do ensino só é possível se existir força (predicado na raça não comum).
O aspecto CONEXÕES é sem duvida mais complicado de traduzir em palavras pois dependem de ângulos e múltiplos aspectos do desenho do corpo do cavalo. Três na minha ótica traduzem a “Beleza do Cavalo”. A primeira e mais importante em relação à montabilidade é a conexão de rins, sem um rim suple e flexível não temos andamentos brilhantes. Já vi o mesmo funcionar melhor nas conexões longas do que nas curtas, mas o ideal é uma conexão medianas de boa musculatura e flexíveis. São estas conexões que permitirão ao cavalo a sensação de ter o cavalo debaixo de si como uma bola e que farão do Piaffe um movimento de rara beleza e colaborarão para atirar o cavalo para a frente nas mudanças aproximadas de galope, entre outras ajudas. A segunda CONEXÃO de importância no meu entender é a da ganacha. Acho feio um cavalo encorpada nesta região o que lhe tira “finura” de linhas e provoca muito dificuldade na colocação do cavalo em Ramener (chanfro na vertical), quando montado. Por último gosto de garupas longas com o termino perto dos corvilhões, o que demonstra solidez e quando bem aprumadas elas são sinônimo de muita beleza.
Dentro destes floreios temos a raça PSL, um cavalo que prima principalmente por sua personalidade e temperamento, não só no chão, mas principalmente montados. Cavalos tensos certamente terão de ser eliminados. Este sem duvida é o principal aspecto de seleção de um garanhão, por isso o Exame praticado na raça não é significativo nestes termos (cavalos são feitos para serem montados, inclusive as éguas) e assim como os homens, os aspectos intrínsecos destes só aparecem quando colocados à prova e perto do limite. Selecionar o plantel pelo aspecto TEMPERAMENTO , usando-se para isso animais que tenham este predicado positivo junto a sua FAMILIAS. Esta é uma razão pela qual defendo o Afiançado de Flandes como uma dos melhores garanhões da raça, produz cavalos de bom temperamento e na família encontramos vários entre eles, Parágrafo , o próprio Oceano e por ai vamos.
Tendo esta base, poderemos nos preocupar com os detalhes de beleza, porque ela nos cavalos é fundamental, garante a comercialização com maior facilidade. Pessoalmente consigo gostar de um Vulção dos Pinhais 1.72m., de um Distinto que tinha 1.58m. ou mesmo de um Quatrilho HM 1.60m.. Debato-me com esta mesma pergunta toda a hora, o que fazer se gosto de tipos diferentes? Escolher um tipo e permanecer nele? Têm criadores que criam cavalos Isabeis, é uma forma de definir o tipo, tem outros que criam cavalos de Dressage, também está correto. Ambos terão o seu mercado especifico. O que temos de saber é quais as famílias que poderemos utilizar para produzir os melhores cavalos Isabeis possíveis, dentro das boas regras zootécnicas e pelo outro lado saber quais as famílias que produziram cavalos de Dressage competitivos. Neste pensamento já temos um confronto, se for de Dressage, terão de ganhar, se forem Isabeis terão de ser realmente bonitos. Desta forma o criador chega à sua janela e olha todos os seus cavalos Isabeis lindos mas que não andam nada e na outra janela o criador de cavalos de Dressage olhará aqueles cavalos feios (normalmente os são) que andam muito.
O que definirá o caminho a seguir sem duvida é a função comercial que vc pretender dar aos seus produtos. Só não aceito não colocar o “comercial” no meio, pois logo saberei que X ou Y criação em poucos anos não mais existirá.
Temos de ter claro que um tipo permite participar de exposições (bem que está mudando). Se o potro filho do Saloio de nome Barbaro da SASA JE nesta última exposição apresenta um pouco mais de força, tornaria a vida do Toleirão muito difícil. O potro é lindo e certamente é um cavalo esportivo. Já a Canastra dos Pinhais é uma potra linda de grande movimento, mas não será uma égua produtora de cavalos de Dressage devido a sua família ser Tenor dos Pinhais. Não existe formula exata em genética, existe uma imagem, uma pesquisa das famílias e uma projeção futura para servir um mercado cada vez mais exigente.
Esta historia de cavalos é engraçada por isso, por ser arte por um lado, aprender a ver e a comparar e depois ciência e informação na busca da perfeição adaptando-se ao gosto particular de cada um. É como pintar um quadro, se não dominamos as cores, nunca poderemos fazer uma paisagem corretamente.
Por isso é importante ter perto alguém que tenha uma vivência grande com cavalos quando somos iniciantes na arte de criar cavalos. Esta pessoa terá como obrigação ter um senso de comparação aguçado e estar sempre em busca da revisão dos seus conceitos, buscando todos os dias a renovação da informação.
Não podemos esquecer também da frase “no legs, no horse” acrescentando- se que o cavalo é reflexo direto do que come. Bons pastos é fundamental.
O que deixo claro é o seguinte: Hoje vendem-se melhor cavalos de 1.65m. de altura que cavalos de 1.60m., por isso a seleção comercial continuará o seu rumo, aliando bons andamentos como; passo solido e bem transpistado, trote com “suplesse” de cadência boa e natural, galope de passadas amplas e solto. A linha de cima sempre fala tudo...tém de ter um quê de leopardo nele, felinidade aparente.
Perseguindo estes detalhes acredito que certamente teremos ótimos cavalos, não só para olhar mas também para montar, não podemos é deixar de comparar, por isso visitas a produtores é a melhor atitude que um criador novo poderá fazer, já que é novo e todos acham que vai comprar um cavalinho deles. Aproveitem e COMPAREM. Outra dica, se puderem, filme tudo, em casa coloque uma musica agradável e tiram o som do criador X dizendo que o dele é o melhor do mundo e analise mais uma vez, vc é o juiz. Esta é a principal razão de existir exposições, propor o dialogo e a comparação, aonde os melhores deveriam receber uma explicação oral do porquê são melhores que outros.

Postado 30/08/08 - Durante 30 anos conheçi muitos criadores com os seus dilemas e características. Por ser um caso comum, preparei um texto especialmente para vc no meu blog - http://purosanguelu sitanomontabrasi l.blogspot. com/ , certamente que não utilizarei nomes, mas tentarei explicar para vc "o caminho das pedras", pedras estes que todos os criadores, uns menos e outros mais, trilharam e esse caminho certamente é infinito. Se vc ler novamente o seu texto, vc mesma dá a resposta nele. Estou moldando o texto com máximo de respeito e carinho que possa ter com uma pessoa que sente-se que tém o emsmo carinho que eu ou mais por cavalos. Atenciosamente.
Resposta Vasco Freire, postada em – 01/09/08
Data: 01 de Setembro de 2008

Assunto: Cavalo VULCÃO

Caro Nuno Coelho,

Tive hoje acesso a um artigo que escreveste num Fórum e não posso deixar passar a
oportunidade de fazer algumas considerações:

Quero dar-te os meus parabéns ao verificar que conseguiste distinguir e reconhecer o
valor morfológico e genético do cavalo Vulcão apesar da péssima equitação que lhe foi
ministrada inicialmente, de facto o cavalo hoje está a 30% ou 40 % do seu potencial futuro.
Estou totalmente de acordo contigo quando dizes que o Vulcão faz parte de um número
muito restrito de cavalos da nossa raça que tem aptidões naturais para poder ser um
grande cavalo de desporto a nível internacional e um verdadeiro garanhão melhorador da
raça Lusitana.
Vejamos:

Morfologia – 1,72 cm de altura, castanho, bonito, bons andamentos naturais, compacto,
equilibrado e com exames radiológicos perfeitos.

Andamentos – Bom passo, bom trote e excelente galope.

Geneologia – A mãe é a Cenoura que é também mãe do Peralta ( 3º Lugar medalha de
Bronze na Taça do Mundo FEI World Cup YR / 2007), o Pai, o Luar que é também pai do
Relâmpago ( que chegou às meias finais dos Jogos Olímpicos Pequim 2008 obtendo um
honroso 19º Lugar)

Portanto:

É meio irmão dos dois cavalos da Raça Lusitana que na disciplina de Dressage obtiveram
os melhores resultados de sempre em provas de nível Mundial.

Ao ler os teus escritos compreendi o teu patriotismo e as tuas preocupações ao ponto de
teres feito tudo ao teu alcance para abortar o negócio de modo a o Vulcão ficar no Brasil
para poder melhorar a raça.
Podes ficar descansado quanto a isso porque o Vulcão antes de vir para a Europa, onde
espero que faça uma brilhante carreira desportiva como os seus irmãos Peralta e
Relâmpago , deixa no Brasil ao cuidado do nosso amigo comum Alexandre Sampaulo um
bom stock de sémen congelado para poder beneficiar as éguas da Raça Lusitana no Brasil
de modo a não se perder o seu potencial genético que pelos vistos era a tua grande
preocupação.

Não gostei nada mesmo do termo depreciativo que usaste " o comerciante de cavalos
Vasco Freire" para te referires à minha pessoa. Sou criador de cavalos Lusitanos à cerca de
30 de anos com trabalho feito e resultados conhecidos! Não te ficou bem….
Não me podes confundir com um inimigo da Raça Lusitana no Brasil, não é correcto da tua
parte! Até porque sabes que não é verdade….
Na realidade além de ter exportado de Portugal alguns dos melhores Garanhões que têm
beneficiado a Raça Lusitana no Brasil nos últimos anos (Dragão, Urque, Malmequer,
Distinto, Hipus, Leão, Zique, Ninfo, Nervo, Nero, Quilate, Portugal, etc.) fui o primeiro
Português e Estrangeiro a comprar, importar e promover na Europa um cavalo Lusitano
nascido no Brasil (Nostradamus do Top) e na altura fui muito criticado por alguns colegas
criadores Portugueses…. e já lá vão uns anos!

Posteriormente voltei a comprar e a importar para a Europa mais 12 cavalos nascidos no
Brasil.

Tens de reconhecer que fui o primeiro a dar valor e a prestigiar o trabalho dos criadores
Brasileiros muito antes dos Mexicanos, Americanos, etc, etc.

Conclusão:

- A Raça está hoje numa escala global e com grande visibilidade e reconhecimento
Internacional em termos desportivos.

- As técnicas de reprodução estão muito evoluídas e a informação chega a todo o lado em
segundos, os transportes cada vez mais fáceis, o Mundo mudou!

Caro Nuno, vamos deixar de lado "o diz que disse" e a "pequenez" e vamos todos
acompanhar com uma nova mentalidade a evolução da nossa Raça Lusitana.

Um Abraço,

Vasco Freire

RESPOSTA A VASCO FREIRE, POSTADO EM 01/09/08
Prezado Vasco Freire, é de grande alegria receber um e-mail seu, pois o considero entre os melhores "vendedores de cavalos do mundo".

Acompanho o Vulção, anteriormente a sua compra pela Simone Novak, por isso ainda um potro de menos de um ano, quando a mesma comprou a Cenoura pela quantia de R$50 mil reais.

Depois que tive conhecimento de sua visita ao Haras HM, produtor o qual tenho uma parceria comercial por mais de 8 anos, tive o conhecimento da negociação de um garanhão o qual aguardava melhorar sua performance, como bem comentou. Devo-lhe dizer que nos 6 meses que o cavalo esteve no HM a melhora foi impressionante, visto que o animal apresentava reações de ordem moral e de grave acuamento. Ele precisava ser vencido e impor-se uma hierarquia de comando e retomar a boa equitação, evidenciando a reformulação muscular e a impulsão. O último filme do cavalo é bem interessante.

Todo o grande sujeito tem uma dose boa de sorte e vc teve na relação Relampago / Vulção. Quando fez o negócio nem imaginava certamente o sucesso que o seu irmão iria ter nas olimpiadas, mas eu já esperava, pois sabia do Dr. Orfeu toda a movimentação e investimento realizado neste animal de rara qualidade no PSL.

Esforçei-me para não deixá-lo sair o cavalo do Brasil, por acreditar ser o meu dever como Jornalista, cavaleiro Internacional e precursor do "Movimento Olimpico Brasileiro no Adestramento" em 2003 com a participação do cavalo Portugal sob a sela de Elias Marinho. Até então o PSL do Brasil não havia superado as reprises médias, com Oceano e Nirvana.

Não vejo no momento, outro cavalo que possa substituir a lacuna deixada por Vulção, a não ser alguns potros novos que estão chegando, mas que certamente não estarão em condições para representar o país em curto espaço de tempo. Não o culpo por sua visão, culpo sim e chamei de "míopes" todos aqueles os quais ofertei o cavalo, pessoas abastadas que poderiam adquirir o cavalo com facilidade.

No meu entender o Vulção é um produto final, um animal que devemos espelhar o que produzir quando falamos de PSL de Desporto. Os produtos deste não ficaram à sua altura ainda e acho que o mesmo no Brasil não terá esta chance, a não ser se o nosso amigo comum, Alexandre o use em combinações as quais serão difíceis, pois todos os garanhões indicados por este são da mesma família, no caso do Chico Rios e do Iannoni.

Quanto à segunda parte de seu e-mail, entra nos campos do pessoal. Não pode esqueçer-se que acompanho-o já faz 16 anos e sei exatamente sobre todo o movimento, pois tinhamos outro amigo em comum chamado Aldo Araújo Pinto, criador este que o acompanho desde suas primeiras aquisições em Portugal e depois toda a vossa parceria comercial de anos, o que possibilitou a vinda para nosso país de garanhões de raro valor genético, entre eles um dos melhores do mundo, Portugal de ferro Paulo Caetano. De todos estes garanhões, tive contato direto com a grande maioria.

Certamente se tivesse um pouco mais de tempo o venderia com facilidade para outros mercados, mas minha preocupação era fazê-lo ficar no Brasil, por isso tive de ser coerente em minha atitude.

Por outro lado não podemos condenar uma pessoa de visão como o Vasco, seria uma injustiça. Nunca o coloquei como "inimigo dos criadores do Brasil", não me recordo ter utilizado esta frase, porque não reflete o meu pensamento. Apenas sinto que dois criatórios importantes, como o do Salgado e Iannoni estejam no momento passando por uma crise de focalização. Estes dois criadores são de grande importância para o Brasil.

Recentemente estive no México, aonde presto serviços para o melhor criador mexicano da atualidade, Cortijo La Moraleja, inclusive a única vez que estive em sua casa estive na companhia deste e tive o privilégio de estar com o Maestro, outro grande garanhão que está produzindo muito bem naquele país.

Não só afirmo publicamente que na década de 90 o melhor criador de cavalos PSL no mundo foi a Coudelaria Freire, como poderei afirmar com tranqüilidade que sua participação no desenvolvimento do criatório nacional brasileiro foi representativo e de qualidade, assim como foi no México.

Fico apenas aqui pensando sobre o "vendedor de cavalos" o qual em hipótese alguma é negativo, pois todo o criador o terá de ser mais cedo ou mais tarde. Eu mesmo,sou formado em Comunicações Sociais e tenho imenso prazer em vender cavalos de qualidade. De modo algum vi como uma afirmação negativa, mas se meu entender estava errado, desde já peço que me desculpe.

Tenho a certeza que Vulção irá para as melhores mãos possíveis e que logo estará nas "paradas de sucesso". O meu papel o fiz com louvor, cabe agora esperar para que minha palavras possam num futuro próximo serem verdadeiras, pois ainda estamos trabalhando no campo das hipoteses.

Desde já parabenizo pela compra e espero encontrá-lo em breve ou aqui no Brasil ou em Portugal. Aliás pretendo em breve começar um novo projeto dando continuidade ao livro do Luís Vilaça (O Cavalo Ancestral do Sudeste da Europa), identificando todos os criadores de Lusitanos no mundo e sua produção especifica, tanto no Brasil, como em Portugal, passando pelo México, EUA e França. Com a mudança de Diretoria na ABPSL, talvez tenhamos a chance de o fazer, já que o cavalo Lusitano representa o que de melhor o povo português tém, comparado hoje aos marcos deixados pelos navegantes no passado. Espero por outro lado sensibilizar a todos na necessidade de mostrar ao mundo e ao povo português quando importante é o Cavalo Puro Sangue Lusitano, pelo fato de o ter visto em Winnipeg no Canadá, na Patagónia Argentina, nos desertos na Namibia e em Angola mais recentemente. Um cavalo especial, por sua adaptação a adversidades climáticas e sua adaptação natural a períodos de alimentação fraca.

Por outro lado, estou intimamente ligado à formulação do cavalo PSL de Esporte no Brasil, o qual também tém uma participação com o garanhão de nome Diego, o qual ajudei a vender algumas coberturas. Acredito que tudo possa tornar-se uma realidade em breve, preservando o PSL com suas nobres características, aliás o que os criadores portugueses fazem muito bem através do conselho da raça em Portugal.
RESPOSTA SIMONE NOVAK, POSTADO EM 02/09/08
Prezados Senhores Vasco Freire e Nuno Coelho Vicente,

Li a afirmativa de que o Vulcão teve uma “péssima equitação inicial”, vou esclarecer alguns pontos importantes:

-Vulcão esteve aos meus cuidados por 5 anos de sua vida, foi domado e iniciado no Adestramento em meu Haras e posteriormente seguiu o treinamento no Clube Hípico Santo Amaro pela Amazona Canadense Alexia Wilson.

- Vulcão é um animal especial e foi manejado com calma e categoria, mostrando sempre um grande potencial atlético e esportivo. Seu desenvolvimento dentro da equitação clássica seguia em passos firmes e brilhantes, dando shows nos picadeiros do Clube Hípico de Santo Amaro.

- Quando a Alexia resolveu deixar o Brasil, liguei imediatamente para Cecília Gavião e Pia Aragão, solicitando que a Pia montasse os meus cavalos, como não foi possível, a Pia me indicou a sueca Anne Marie, que também recusou por ser amazona exclusiva da Sra. Ana Maria Mantegazza.
- O fato é que Vulcão foi vendido para o Sr. José Luis Saraiva, ficou algum tempo em seu Haras , não sei qual foi o problema, pois em seguida foi encaminhado para o Haras Modelo e segundo me relatava o Sr. José Luis, era um cavalo difícil de ser montado.
-Coincidentemente, um outro animal do mesmo nível atlético, irmão materno do Vulcão e filho do Peralta, portanto inbreeding em Cenoura, chamado Zogom Comando SN, domado em meu Haras e muito manso, foi chamado de louco e imontável no mesmo local. Como última tentativa de seu proprietário, Sr. Christian Caballero, Zogom foi enviado para o Profissional Antonio João no Clube Hípico de Santo Amaro, foi rodado na guia por um dia e montado sem problemas depois, passeando ao passo e de rédea solta. O próprio Antonio João disse que não entendeu o que se passou por lá, pois a história que haviam lhe contado, era de que o cavalo, pulava, empinava, boleava e mordia a perna do cavaleiro.

- Senhores, isto não é uma historinha, pois me foi relatado por seus proprietários.

- A minha preocupação com este nível de cavalos especiais sempre foi muito grande, pois tenho convicção que não podemos entregar uma “FERRARI” para um motorista de táxi.

- Nuno, sua afirmação foi brilhante: “ ele precisava ser vencido e impor-se a uma hierarquia de comando e retornar a boa equitação”. Frase muito bem colocada, pois o Vulcão vinha sendo bem montado, mas algo aconteceu pelo caminho... Cavalos especiais são muito inteligentes e sensíveis, precisam ter a sorte de encontrar cavaleiros que além do conhecimento e técnica, possuam as mesmas qualidades.

- Nuno, aproveitando: Parabéns pelo seu Blog! Seria interessante acrescentar na produção do Vulcão dos Pinhais, a legenda das fotos com os nomes completos daqueles belíssimos baios: Açafrão Comando SN e Conhaque Comando SN, filhos de Tahine Comando SN e Unara Comando SN. Fique tranqüilo em relação à lacuna que o Vulcão deixará...Faça uma visita ao Haras Juliana e conheça o futuro.

- Parabéns aos dois em tentar manter o Vulcão no Brasil e do outro em ter conseguido adquiri-lo para a Europa, sem dúvida fará uma grande carreira por lá!! Será mais um lusitano brasileiro de destaque.

Atenciosamente.

Simone Nowak Passos.
RESPOSTA NUNO POSTADO EM 03/09/08
Amiga Simone, gostei de seu gentil texto, bem legal.

Para aqueles que estão chegando agora, é muito importante e representativo ter Simone, Vasco Freire neste debate. Sempre que temos pessoas fortes participando sobram algumas "agulhadas", mas faz parte. Na realidade é como um jogo de futebol, dentro do campo sofremos canelas, mas depois tomamos cerveja juntos, porque temos algo em comum, uma grande peixão pelo cavalo Lusitano, seja ele grande, pequeno, amarelo ou verde. Mais uma vez parabéns Mauro pela iniciativa.

Simone nos descreveu uma parte da história deste bom cavalo de esporte PSL. Não gostaria de escrever sobre Alexia, uma boa amazona a qual conheci logo que chegou ao Brasil em casa do saudoso Kaplan. Para sua informação Simone, o cavalo na Hipica Santo Amaro já apresentava problemas graves de ordem moral, eu mesmo presenciei, ninguém me contou.

Quanto ao "motorista de taxi" (adorei o termo) vc, assim como o Vasco Freire, sabem que é o melhor equitador de Adestramento do Brasil, uma pessoa de rara habilidade e como disse em 6 meses em parceria com seu pupilo fizeram um excelente trabalho de recuperação do cavalo. Tenho a certeza absoluta que neste caso especifico, poucos seriam os lugares que enfrentariam uma fera de 1.72m. duramente, sem desmoralizar o animal ou tirar o seu brilho, reconstruindo- o muscularmente corretamente, dando-lhe força. No meu entender foi um dos grandes trabalhos deste grupo, o que proporcionou ao proprietário do animal ter a possibilidade de o vender, o que certamente não seria possível 6 meses atrás, acredite! O que estes meninos todos precisam é de cultura, ver mais, ter mais clinicas (interessantes, por favor!), dialogar mais entre eles, receber gratuitamente acervos do vasto material audio visual disponível no mercado internacional, entre muitas outras coisas. Falar desta forma deste grupo de cavaleiros é uma violência e não faz nenhum sentido. Todos temos defeitos e virtudes, vamos olhar as virtudes. Temos de dar valor e incentivar a “prata da casa”. Hoje os portugueses tém de colocar a "viola no saco" e ir tocar em outras pradarias, pois foi vergonhoso o que vimos em Beijing, aliás foi o que tirou o brilho do PSL. Que vergonha aquela égua acuada no meio do picadeiro de olhos esbugalhados e pior, todos sabiam que a égua fazia aquilo e mesmo assim jogaram os dados. É isso que não podemos ter na raça, animais covardes, que depõem contra nossa origem mais nobre, a batalha, o toureio, o preservar das fronteiras mais antigas da Europa. O nosso cavalo Lusitano primordialmente é um cavalo valente.

Quanto ao outro cavalo citado do amigo em comum, o conheci também, mas nunca me interessei por ele, por não gostar de sua morfologia e acreditar que os problemas apresentados eram provenientes das conexões e ângulos, o que certamente afetou o seu rendimento.

Acho que vc (com todo o respeito) ainda não percebeu que o cavalo é um animal de fuga, muito sensível à dor. Faço uma comparação comigo mesmo! Quando montava todos os dias a cavalo, um dia fui jogar futebol, depois do jogo durante 3 dias todos os meus músculos doíam da cabeça aos pés. Semanas depois convidaram-me para jogar futebol e toda aquela dor rapidamente instalou-se em minha mente e nem no gol fiquei. No cavalo é a mesma coisa, sua memória, promove a fuga e a fuga se traduz em nervosismo e reações contra o cavaleiro. Estes tipos de cavalos, comparados a animais Warmblood, precisam de ginásticar a mola mais e por tempo maior que os cavalos PSL menores e de maior flexibilidade. São indivíduos diferentes. No caso, como vc bem explicou o meu grande amigo António João, pegou-o e rodou na guia (vejo-o rodando agora, sei como ele o faz) e depois o montou na pista de areia da hípica para a frente, sem lhe pedir absolutamente nada. Associado à mudança de local (coisas novas) um trabalhinho leve, o cavalo nada demonstrou. Mas se fosse o contrário, se o António o pressionasse a trabalhar com vigor, impulsão e certa tensão muscular, tudo iria manifestar-se de novo. Foi a abordagem correta deste grande professor e amigo (aqui para nós pouco reconhecido no Brasil). Temos de criar cavalo maiores? Sim não sou contra (eu não os monto, pois sei que quando tive de os montar obrigatoriamente tive de suar a camisa e a esta altura do campeonato não quero mais!) sou mais um "veiguinha" que ande por si só, bem apimentado para praticar a minha equitação flexionista quase perto de Boucher ou D'Orgeix, mas isso são preferências e quanto mais velho fico, mais este tipo de equitação me atrai, chamada de “equitação de pantufas”.

Sinto neste momento que os equitadores profissionais de PSL, ainda não sabem abordar com perfeição cavalos PSL de grande estatura, falo acima de 1.67m. Acham que podem praticar a mesma equitação que praticavam naqueles cavalos de 1.58m. Como fator complicador, os maiores cavalos que existem no país, na última década são provenientes de duas linhagens (calma, ai vai uma alfinetada!) Hipólito e Famoso, cavalos que tinham problemas de diminuição de base de sustentação em dinâmica e até de angulação de corvilhões, sendo demasiadamente retos, o que passou para sua progênie. Tinham suas qualidades, mas estas não eram dentro das bases que se procura num cavalo PSL, boas conexões e um rim que permita com facilidade os trabalhos de reunião. Posso acrescentar também sem medo de errar que faltava "finura", CN demais no sangue. Mais recentemente tivemos um cavalo de nome Nirvana nas “paradas de sucesso”, com os predicados negativos dos outros, mas de melhor qualidade nos quesitos "finura" e amplitude de espáduas, acrescido de força (um produto final, multiplicá-lo pode ser um grande tiro no escuro). Outra grande perda para o Adestramento Nacional. Um cavalo que certamente poderia fazer frente ao Relâmpago em Beijing. O sucesso de nossa raça no meu simples entender está em ter um cavalo PSL de maiores dimensões, aonde morfologicamente não saia das características da raça, um Samba grande por exemplo (aumentar as dimensões apenas), com a moral e finura daquele nobre cavalo. Tive a oportunidade de montar seu pai Inca durante um ano, depois de Distinto um dos melhores PSL que montei na vida, que doce cavalo, que amável, mas como todos faltava-lhe força, o que falta em 99% dos PSL normais de média estatura. Famílias e conexões são as palavras que não saem de minha boca no momento.

Estamos prestando muita atenção nos garanhões e esquecendo que 50% do serviço é feito pelas éguas. Selecionar as éguas é um passo importante em qualquer criatório que visa ser profissional. O sucesso na década de 90 do nosso amigo Vasco Freire, deve-se muito ao grupo de éguas que o mesmo tinha em seus campos. Por isso a luta pela transferência de embrião terá de ser feita sem trégua e uma iniciativa imediata, se alvejamos ter uma qualidade superior de cavalos e quem sabe Vasco Freire possa fechar um contêiner de éguas para este fim e mandar para o Brasil e assim se redimia um pouco da fama de “inimigo do Brasil” (brincadeira viu!). Burrice alguém afirmar isso em tempos de globalização, pura mediocridade.

Obrigado por ter gostado do Blog, esforçar-me-ei mais para escrever, hoje para qualquer lugar aonde vou, levo o Lep Top (enquanto as crianças praticam esporte no Clube, lá estou eu escrevendo, adoro escrever, coisa de dislexo ou de saltador de obstáculos, não sei ainda, viva o Word!)

O último ponto que gostaria de pedir a sua atenção e referir-me (já que ajudei muito o Vasco Freire a vender coberturas do Vulção e divulguei a sua marca a qual aprecio bastante no decorrer destes 25 anos de criação, porque vc foi junto com Eng. Énio Monte a precursora deste caminho,é falar sobre novos criadores.

Eliana Garcia (além de não a conhecer pessoalmente) tive o privilégio de falar com ela por telefone por bastante tempo. Curioso, fui buscar mais informações, reparei que não estava brincando, uma bela estrutura montou em seu Haras. Peço a vc, e a todos os outros que cuidem com muito carinho e atenção de novos criadores deste gabarito. Ela, com certeza poderá trazer outros tão bons criadores, mostrando-se o sucesso dela, tanto nas pistas, como na criação de bons cavalos. A ela ofertei o Vulção, mas ela gentilmente disse-me que no momento estava investindo em sua propriedade. Eliana é uma raridade no mercado e saiba que através do sucesso dela, outros aparecerão, por isso todos temos de ter este compromisso de cuidar dos novos, para que tenhamos bons e melhores cavalos no futuro. Precisamos deste compromisso do único candidato à Presidência da ABPSL. Só mais uma coisa prezada amiga, está na hora de sair da “sombra” e colaborar, que tal ocupar uma cadeira no conselho, vc pode e merece por mérito e certamente seria muito bem vinda. Repare que peço isso publicamente, não têm como fugir.

Um abraço.
POSTADO NEM 03/09/08
Prezado Toninho, boa tarde!

Realmente vc tém razão Baucher é o nome correto! escreveu o livro Dictionnaire d' équitation, em 1838 montou em Paris no Cirque des Champs- Élysées o cavalo Partisan, aonde deixou centenas de discípulos. Durante sua época provocou um conflito entre a equitação militar e a civil. Nos deixou a famosa frase "la science équestre n' existait pas et qu' elle était à créer" entre outras. Faleceu em 1873.

Vamos ao que interessa:

Colocando a bandeira de lado, sabe que foi uma "barraca" , até cavalo que tinha brilhado nos mundiais em Las Vegas não brilhou. A égua referida em causa, não era a primeira vez que tinha reagido daquela forma. Não é positivo em hipótese alguma, uma raça como o PSL que nos brinda por seu caráter, colocar esta situação e da forma que aconteceu em risco, para um publico de 4 bilhões de pessoas. Conheço o Sr. Ralão desde que o mesmo trabalhava nos EUA e sei de sua capacidade.

Realmente não medi a intensidade da frase, ela poderia ser menor, mas ela estava inserida num contexto e não surgiu isolada. Ela tinha referência direta à afirmação do grande criador português Vasco Freire, em seu texto aonde expressa sua impressão pessoal sobre cavaleiros brasileiros.

Dois pontos são importantes na frase: A falta de previsão do chefe de equipe portuguesa na antecipação do problema particular da égua em causa. O outro é afirmar que o cavalo PSL prima por sua valentia. Não vejo razão de pedir desculpa sobre absolutamente nenhum argumento exposto no parágrafo, porque ambos representam a verdade.

Outro fato importante e poderá verificar em meus textos aqui escritos é que nunca pretendi vender nenhum cavalo neste grupo (não preciso!), Por isso não entendo a sua referência a venda de cavalos no contexto. Quanto aos outros dois, isso não me diz respeito. O meu interesse é preservar no que acredito ser o melhor para a raça PSL, hoje uma raça globalizada, patrimônio histórico português, como um dia o Brasil foi sua colônia.

Caro mediador, desculpe, mas o nosso amigo Toninho, em fez de responder com fatos, ele não sabia do seu pedido de manter questões pessoais fora do dialogo. Por ele e pela minha pronta resposta, peço desculpas.

O espaço está aberto para uma réplica....a qual francamente espero, para continuarmos o debate, mas por favor sem questões comerciais ou pessoais.

Um abraço
POSTADO EM – 04/09/08

Rodrigo, bom dia! Ótima pergunta e procede! Acredito que a Simone, proprietária da égua tem aqui uma ótima oportunidade para responder a esta pergunta, sei que ela o fará porque ama esta égua e tem um enorme orgulho dela. De minha parte irei pesquisar no Stud Book Tonus I aonde a égua está inserida e buscar uma resposta técnica para esta pergunta, através de sua filiação, a qual termina na quarta geração em Africano X, filho de Novato de ferro Infante da Camara em égua Africana VI, a qual não consta mais no Stud Book (complicado! ) . Certo é que ela têm 24 anos e nesta oportunidade alguns animais foram inscritos com um pouco de "cheiro de alecrim" e outros " com pelos em demasiado nos boletos", nada mais do que o normal num livro fechado há apenas 3 décadas aproximadamente. Os antigos nesta época já "gritavam" que era necessário unificar o tipo. 30 anos depois permanecemos com o mesmo dilema. Vamos aguardar a Simone manifestar-se quando puder e farei o meu "trabalhinho" no Stud Book e vc se puder ajudar, seria bom também.
Filhos dela tive o privilégio de montar 3 animais, Solar dos 3 para os 4 anos, Peralta, com um ano a mais e Vulção. O que menos gostei e impressionou- me por seu som no solo quando o pisava foi o Peralta, mais pesado que os outros, meio "carroceiro" até. Solar era bem legal quando potro, lindo, de forte presença e bons andamentos (gosto muito do Ninfo, acho que o António João vai dar a volta nele), não tendo apresentado nada que pudesse depor contra ele.
Temos que ter em mente também que Cenoura é a égua mais importante do Comando SN, a qual teve a sorte de ter o interesse do Sr. Vasco Freire, por esta família. Deve-se isso a seu representando no Brasil, o qual elaborou uma comunicação de qualidade dos animais em suas campanhas na Europa. A proprietária da marca Comando SN muito habilmente utilizou este "link" em forma de marketing positivo e corretamente o ampliou, chegando a fazer um anuncio da égua em revista nacional, o que é direito dela. Tudo isso faz parte do trabalho de um criador profissional, aonde têm de trabalhar em equilíbrio com 4 fatores básicos e elementares: GENÉTICA, MANEJO, PERFORMANCE e MARKETING para obter o sucesso pretendido. Falhando um deles, compromete todos os outros, exatamente igual a uma empresa comercial. Certamente precisa-se de um Fórum Mundial da Raça para buscar unificar o tipo (olha uma idéia ai CANDIDATO!), não só pelo voto, mas também pelo discurso, ou criar-se duas frentes, o que pessoalmente defendo, como forma de proteção ao cavalo tradicional (aliviando o foco deste), como muito bem fez o Árabe na França, quando criou o Anglo-Arabe, como existe o Cavalo Português de Desporto e por ai vamos. Agora mudar o PSL, isso não é aceitável. Que tal o nome CAVALO LUSITANO DE ESPORTE? Está tudo pronto no Brasil, é só mudar o nome e entrar com o requerimento em Brasília. Um jantar ali, outro aqui e está tudo resolvido! Logo terei o estudo da Cenoura, espero que a proprietária da égua ajude. Um abraço.
POSTADO A 04/09/08 –
Tio Rebouças, não confunde o Rodrigo!! Nem tudo CN é Espanhol, no Sangue dela, pela pequena pesquisa que fiz, tem Infante da Camara (linha direta com a Espanha), também, acho que tém algum "veiguinha" perdido lá pela quinta geração. Pena que estou sem tempo, mas irei até o final apenas para matar a minha curiosidade. Francamente o que penso é que a Cenoura é a Cenoura e ponto, entre muitas outras boas éguas que temos no país e uma geração brilhante chegando ai, as quais terão de tornar-se reprodutoras de ouro ou SKOL e ter acesso à transferência de embrião ainda este ano de monta, não podemos perder tempo. Vou colocar no Blog a foto de outro brilhante cavalo que perdemos faz uns dois anos. O nome dele é TALENTO WR, mora hoje em Wellington FL, que cavalo! Também quase na sua totalidade Espanhol. Rodrigo, existem bons cavalos na Espanha, inclusive alguns PRE andando muito bem nos GP'S nos EUA, vimos um ou dois nas Olimpiadas bem bons.

POSTADO A 05/09/08
Amigo Rodrigo, assim vc me coloca num desafio e tanto, porque este GRUPO, se vc sai um pouquinho da linha eles crucificam-te. Vou tentar responder às suas INUMERAS perguntas dentro do meu humilde conhecimento, espero não errar e se errar, peço ajuda ao meu amigo Rebouças entre outros para corrigirem-me.
Vamos à primeira pergunta: - O cavalo PSL é novo ou antigo? Esta e uma pergunta relativamente simples. É uma raça milenar. Existem pinturas rupestres no Alentejo que datam entre 17.000 e 13.000 ac, com referências diretas a este tipo de cavalo. Os Fenícios , Gregos e Cartagineses, utilizaram animais também com características do Lusitano, por sua rapidez e forma original de combate. A Coudelaria de Alter (origem de quase todas as raças regionais de cavalos do Brasil) tém mais de 250 anos.

Quais os exemplares com a mesma genética da Cenoura que encontramos no Brasil ? Conheci apenas uma égua que já faleceu no Haras Modelo de nome Dinamica Itapuã. Fora ela não soube de mais nenhuma (Cenoura nunca foi o meu ideal de égua, mas respeito sua produção), quem sabe alguém tenha mais informações. Sinto pela falta de uma Biblioteca na ABPSL para que possa-se ter informações em arquivo, ou mesmo através do site ter acesso a progênie de garanhões como UIJE, o qual nunca veio para o Brasil. Talvez nesta nova fase modifiquem este quadro de falta de pesquisa e acervo.

Touradas do Urque? Realmente o cavalo toureou, mas pouco existe de informação REAL de quantos anos e quais os cavaleiros que o montaram. Vi algumas fotos, mas quem maior informação poderá forneçer é o nosso amigo Alexandre, que o trouxe para o Brasil. Conheçi o Urque já no final de sua vida, como conheçi o Malmequer, o segundo mais importante em termos de Touromaquia, com mais filhos toureando na Espanha e em Portugal. Este trabalho teria de ser pesquisado em Portugal. Sei da existência de um livro importante, mas faz muitos anos que o mesmo está esgotado, aonde forneçe a história do toureio equestre em Portugal. Urque faleçeu o ano passado aos 32 anos no Haras Modelo. Deixou alguns filhos de muita qualidade, hoje espalhados pelo mundo. Sei que um filho dele faz muito sucesso nas categorias de cavalos novos de Adestramento na California, outro em São Paulo e outro expoente que ainda permanece no Haras Modelo e cobrindo éguas.

3º ) A raça é nova? Não , a raça é milenar, o stud Book da raça é que foi fechado há apenas 30 anos, ou um pouco mais. Precisaremos de mais 50 gerações para consolidar o tipo, se não forem feitas muitas asneiras até lá. Mas Portugal, nisso é muito eficiente e não deixará acontecer. O cavalo PSL é patrimônio histórico daquele país.

4º) Antigo e novo Lusitano - Não existe, o PSL é único e sua tradução ideal está escrita no Stud Book da raça Lusitana. O resto, são movimentos comerciais, quase com exclusividade, visando incluir o PSL num maior numero de usuários, já que o cavalo PSL é um animal de estatura média, resumidamente. ..(esta pergunta é muito complicada e entra em terrenos perigosos, prefiro parar por aqui!)

5º) Resumindo a sua pergunta: - Com 30 anos de Stud Book é uma raça antiga? Não, por ser jovem de Stud Book, ela ainda sofre na padronização do tipo. Acredito que quando seus filhos forem adultos isso tudo já tenha passado. As Touradas não são uma atividade "politicamente corretas", sofrem muito com a perseguição de grupos protetores no mundo todo, mas sobrevive com mais intensidade na Espanha, México e Portugal (a atividade também não é representativa comercialmente, já que quase em toda a sua maioria os toureiros são os próprios criadores de cavalos a usar na praça. O mercado de Adestramento é universal e infinito). Isso indica que num futuro, possa existir uma mudança de foco por parte dos portugueses. Aqui no Brasil, como não existe Touradas o PSL já é responsável por 80% das inscrições nas competições nacionais de Adestramento, por isso a existência do conflito e do dialogo (este é outro terrenos movediço, melhor parar por aqui!).

6º) Quais os criadores Brasileiros passaram a sua criação de pai para filho? O mais importante é a marca TOP, a qual mereçe inclusive um livro. Foi esta marca a responsável pelo crescimento do PSL no Brasil. Tonico Pereira hoje defende com grande propriedade o que herdou de seu pai. Para todos que amamos este cavalo a marca TOP sempre significará qualidade e performance. Foi proprietário de Afiançado de Flandes, sem duvida o melhor garanhão vivo do Brasil e o criador de Oceano do Top (cavalo Olimpico em 2008) e Nostradamus do TOP (cavalo que fez mundiais de Adestramento e toureou em Portugal), fora muitos outros, como uma das melhores éguas nacionais, "top five" Orla do Top, Paragrafo do Top outro ícone, formador de éguas e por ai vamos..são muitos cavalos bons. Longa vida à marca TOP.

Ricardo disponha, se puder é de grande prazer escrever sobre este cavalo que acredito ser o melhor cavalo de sela do mundo, o Puro Sangue Lusitano.
POSTADO A 06/09/08
Grande Pitta e amigos. Infelismente o meu tempo é corrido demais. Simone está certa quanto à Dinamica, nada a haver mesmo o nome da égua a qual queria referir-me era a ALTIVA. As confundi sempre, por serem parecidas e estarem no mesmo pasto.

Quanto ao Urque Pitta, pegue a relação de cavalos exportados na ABPSL e verifique o porque que nenhum apareceu aqui no Brasil, quase todos foram exportados (falo os que nasceram no HM), o resto certamente foi um tempo nebuloso na vida deste ícone da Raça, que no mínimo merece respeito. Hoje tém dois filhos dele significativos no Brasil, um com o Jorge Green e competindo, ganhando tudo, pode verificar. Outro é um jovem cavalo vendido este ano que também está em Santo Amaro, eu o vendi o não me vêm o nome do cavalo agora.

Quanto ao Portugal (muita atenção quando vc se refere a este garanhão) Como o Urque teve tempos ruins no começo, depois passou pelo Castanheiro e só agora teve a chance de aparecer convenientemente. Infelizmente quase todos os filhos deste já estão sendo exportados, este mês outros mais. Para sua informação o cavalo melhor vendido no Leilão na Florida esta ano é filho do Portugal. Portugal nem precisa de estar aqui eu o defendendo, vc verá nas próximas exposições, inclusive já viu a bela potra do Castanheiro filha da Paloma do Castanheiro na última exposição. No youtube tem mais, pode procurar, vai gostar, são animais esportivos dentro do padrão da raça.

Quanto à amiga Simone esperava pelo seu texto, nada melhor ela mesma defender os seus interesses, o que deixa este grupo super interessante. é bom lembrar que nenhum dos cavalos mencionados por ela fizeram história. O que chegou mais longe foi o Peralta, porque teve a sorte de ter o seu treinamento na Alemanha, assim como Relampago, que no caso não podemos esquecer que o Pai dele já foi Panamericano e inclusive a Irmã própria dele eu vendi para a California. O resto, Obtuso, o montei no Texas, a lugar nenhum chegou, o Zurquis do Iannoni sem comentários (Adoro o Sr. Ernesto!) , o Zurquis do Narezzi, ainda terá de remar muito, Motezuma ??? exportado! Nirvana, todos vimos a Amazona dele o que sofreu para fazer piaffe no cavalo, gente atenção, nosso cavalo PSL prima pela concentração!. Muito cuidado com essas palavras de fazer história, certamente o saldo está muito devedor, para alguém que cria faz mais de 2 décadas.

Um abraço, estou na correria, mas não poderia deixar passar.
RESPOSTA DE SIMONE NOVAK – POSTADO EM 07/09/08

Prezado Nuno,

Admiro o seu conhecimento e o seu trabalho, apesar de discordar de muitas coisas que você escreve. Agora, faço uma crítica construtiva: Em hipótese alguma, podemos desqualificar criadores e profissionais do cavalo, comecei a ficar irritada quando li críticas que você fazia da Clínica do Barbier, citando Carrano e Oliva, pessoas que eu respeito e gosto muito, em seguida você se refere de maneira pejorativa aos cavalos Famoso, Hipólito, Peralta e Cenoura que foram a base do meu plantel, os dois primeiros já falecidos. Famoso foi uma grande paixão, penso nele todos os dias até hoje. Para mim os quatro estavam muito próximos do meu ideal de cavalo. Grande parte do que eu mais gosto e acredito veio destes quatro exemplares.. .
Então, peço à gentileza que você se atenha em informar as pessoas sem desqualificar outros cavalos e outras pessoas.
Não fui indelicada com você, apenas reagi aos seus comentários e mostrei que você pode ter um “telhado de vidro”.
Vamos esquecer as diferenças de conceitos e seguir em frente a favor do cavalo lusitano, afinal este é o objetivo do forum, mas sempre com respeito.

Muito obrigada pela força, é realmente um dos momentos mais tristes e delicados da minha vida

Respeitosamente.

Simone.

Nenhum comentário: